Orientações para o projeto “Flâneur” e Mídias Locativas

“Nosso trabalho como professores não é ‘preparar’ as crianças para alguma coisa.

Nosso trabalho é ajudar as crianças a aprenderem a se preparar para qualquer coisa. ”

(A.J. Juliani)




Projeto

O “flâneur” e as mídias locativas na Comunicação.

O que pretendemos alcançar?

Identificar como as mídias locativas estão sendo usadas nas diversas áreas da comunicação em sua relação com o espaço urbano.

Como pretendemos fazer isso?

Descrevendo os principais conceitos relacionados à prática da “flanerie” na sua relação com o cotidiano urbano e os principais conceitos que definem as mídias locativas.

Relacionando esses conceitos a projetos ou “cases” já existentes, pois, assim, podemos verificar os diferentes usos dados a esses recursos.

Exercitando nossa imaginação com esboços de projetos locativos de nossa autoria (não é obrigatória esta fase).

Publicando nossas pesquisas no blogue da nossa sala, mas permitindo que todos possam ter acesso a todos os blogues de todas as salas.

Possíveis desdobramentos da pesquisa

Desenvolver a interdisciplinaridade com Lingua Portuguesa (as características da crônica) e Antropologia (com a observação etnográfica).

Fazer contatos com os autores dos projetos já existentes.

Conhecer diferentes plataformas digitais e diferentes formas de narrativas desenvolvidas para elas.

Estimular a autoavaliação, a criatividade e a capacidade de organização de projetos coletivos.





ROTEIRO

Essas respostas vão servir de introdução ao tema (1ª parte do trabalho)




Postagem sobre o “Flâneur/Flaneuse”

 
 
Em que período podemos localizar a experiência do “flâneur”
 
Que nomes de intelectuais e poetas podemos associar a esse tema?
 
Qual é o postura que se espera de um “flâneur/flaneuse” com relação ao cotidiano e à cidade?
 
Qual é a relação do “flâneur” com um homem, branco, de perfil aristocrático e o que muda quando pensamos na “flanerie” feminina, LGBTQ ou dos jovens da periferia?
 



 

Postagem sobre “Mídias Locativas”

 
O que permite o surgimento de “mídias locativas”?
 
Qual é a principal característica das mídias locativas? Tente defini-las?
 
Qual é a relação das mídias locativas com a realidade ampliada?
 
Qual é a tendência dos computadores para o século XXI?
 
 



O que eu espero que vocês procurem na pesquisa (2ª parte do trabalho)

 
Identificar experiências ligadas ao seu curso que combinem narrativas e geolocalização.
 
Identificar quem as criou?
 
Quando começou o projeto e se ele existe ainda?
 
Como ele funciona? ( O conceito do projeto)
 
Já existe um balanço dessa experiência?
 
Se possível tentar um entrevista com os criadores do projeto ou com a marca.



3ª parte do trabalho (Facultativa)

Se o grupo quiser acrescentar uma experiência com mídias locativas de sua autoria, isso seria muito bem vindo (no momento, bastaria apresentar a ideia por mais estranha ou maluca que possa parecer)


 

Essa experiência é baseada em autoavaliação.

O importante é avaliar o que vocês aprenderam com o processo e não, necessariamente, o resultado.

Eu abri um blog para cada sala.

As postagens de cada grupo deve ficar entre 3.000 e 7.000 caracteres. Pode conter prints, vídeos etc.

 






ALGUNS EXPERIMENTOS COM GEOLOCALIZAÇÃO

Google Night Walk

Walking Cinema/ Museum of the Hidden City

 

 

Mapas Afetivos

 

 

Radioooo



Cali, la ciudade que no duerme. Reportagem 360, El País.

MAPPING VOICES

A vida pelas linhas dos trens em Londres

Mapa revela segregação racial no Brasil – Jornal digital “NEXO” – Daniel Mariani, Murilo Roncolato, Simon Ducroquet e Ariel Tonglet

Guia Cultural das Favelas

Google Maps: 100+ Best Tools and Mashups

StoryMAP ( ArcGIS online)

The Life and Words of Dr. Martin Luther King Jr.

A Walk Through Time

World Cup in 33 Maps




Por que o mundo precisa do OpenStreetMap




ANDRADE, Luiz Adolfo. Jogos locativos. Salvador : Edufba, 2016. (Coleção Cibercultura)

AUGUSTO, Diego Menezes; FEITOSA, Maria Zelfa de Souza  e  BOMFIM, Zulmira Áurea Cruz. A utilização dos mapas afetivos como possibilidade de leitura do território no CRAS. Est. Inter. Psicol.. 2016, vol.7, n.1

LEMOS, André. Mídia Locativa e Territórios Informacionais.  In: “Estéticas ARANTES, Priscila; SANTAELLA, Lúcia (orgs.) São Paulo: Ed. PUC/SP, 2007.

RIESER, Martin.  Locative Media and Spatial Narratives. NeMe, 28/05/2009

SANTAELLA, Lucia. Ecologia Pluralista das Mídias Locativas. Revista FAMECOS , Porto Alegre no 37, dezembro de 2008

SILVA, Fernando Firmino da Jornalismo móvel  Salvador : EDUFBA, 2015. 53 p. – (Coleção Cibercultura / Lab404)

SOUZA, Adriana de, SUTKO, Daniel M. Theorizing Locative Technologies Through Philosophies of the Virtual –  Communication Theory, Volume 21, Issue 1, 1 February 2011, Pages 23–42

MEMóRIA, IDENTIDADE E TERRITóRIO: MAPAS AFETIvOSCOMO INDICADORES DE hÁBITOS CULTURAIS Kaian Nóbrega Maryssael Ciasca. Revista do Centro de Pesquisa e Formação do SESC n. 6, junho 2018

Deixar uma resposta